A necessidade é a mãe da criatividade

Não sei ao certo quando se iniciou a minha saga na cozinha. Não me lembro se foi quando morei sozinha nos EUA, longe da família e daquelas pessoas que sempre faziam aquela comidinha gostosa ou se foi quando me casei.

O fato é: cozinhar nunca foi o meu forte! – e olha que sempre fui cercada de excelentes cozinheiras (avó, mãe, irmã)- e achava simplesmente fabulosa a capacidade que os bons cozinheiros tinham de criar um “menu” e transformar simples ingredientes em deliciosas refeições.

Quando me casei tive que” me virar nos 30″ e, por incrível que pareça,  meu marido sempre gostou das minhas invenções na cozinha. Mas criar um cardápio ainda não era o meu forte…sempre fui a “cozinheira de um prato só”.

Mas o que isso tem a ver com a marmita nossa de cada dia? Bem, assim como um cardápio uma marmita deve ser bem planejada.  Deve-se verificar se possuímos todos os ingredientes em casa, planejar a ida ao mercado, o tempo de preparo,  o grau de dificuldade e etc.

E como começou essa história de marmita? Simples. Como muitas mulheres, trabalho e almoço fora T-O-D-O  S-A-N-T-O  DIA! Sou uma pessoa que enjoa muito fácil  se come a mesma coisa diariamente e se você tem poucas opções chega uma hora que seu paladar vai mesmo ficar entediado.

Eu já não sentia o mesmo prazer em sair para almoçar. Muitas vezes esse intervalo para a refeição era tortuoso pois eu tinha que pensar: ” E hoje? O que vou comer? Onde irei?”

Sério…estava ficando muito chato e …caro! Aqui em Curitiba, na região onde trabalho, o preço do quilo em um restaurante mediano custa cerca de R$ 35,00 à 52,00 … Inviável e custoso!

Além disso, eu comecei a me sentir um tanto “estufada” quando comia nesses restaurantes pois por mais que sejam limpos e a comida seja feita com esmero NUNCA sabemos ao certo o que estamos de fato ingerindo.

Em razão do TÉDIO de comer a mesma coisa dia após dia e principalmente do cu$to iniciei a minha saga pelo mundo das marmitas. Certamente será um desafio pois nem sempre estamos inspirado(a)s. Todavia será um exercício de criatividade e organização.

Tenho que admitir ( e sinto vergonha) que muitas vezes desperdicei comida. Como? Comprava e não usava ou comprava demais ou deixava vencer… e isso é muito triste pois além do aspecto econômico ainda tem o aspecto social…

Minha aventura iniciou-se essa semana e peço sua ajuda, querido e querida marmiteira: vamos trocar  receitas (práticas e gostosas), dar pitacos e reinventar a nossa marmita!?

Prometo mostrar todos os dias da semana o que tem na minha e tentar te inspirar e te encorajar a comer melhor  passando alguns minutos na cozinha. Topa?

 

 

marmita 01

Do dia: conchiglione com molho vermelho e requeijão  -receita em breve!

 

Anúncios